DICAS DE SAÚDE

Novo composto pode acelerar regressão do câncer de mama



27/07/2021


Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e de Harvard, nos Estados Unidos, encontraram um tratamento que pode ser capaz de regredir seis vezes mais rápido o tipo mais grave de câncer de mama, o triplo-negativo ou TNBC.

O estudo, publicado na Science Signaling, apontou que o tratamento deve ser feito em uma etapa antes da quimioterapia com uma enzima identificada que inibe as células TNBC. De acordo com os autores da pesquisa, a enzima induz a morte das células com o triplo-negativo por apoptose.

Segundo Vinícius Guimarães Ferreira, um dos autores do estudo e pós-doutorando do Instituto de Química de São Carlos (IQSC), 192 compostos foram levantados para a pesquisa. "O uso de um amplo painel de compostos na nossa seleção primária nos permitiu não apenas descobrir nova biologia, mas também construir rapidamente combinações ativas", explica no texto.

Os autores do estudo dizem que, a partir da inibição da enzima, o tratamento do câncer torna-se mais eficiente. Além disso, esse procedimento pode reduzir o tempo em que o paciente é exposto aos efeitos colaterais da quimioterapia.

No estudo clínico, os cientistas analisaram diversos compostos para encontrar o mais eficaz contra os tumores. Os compostos selecionados foram testados em camundongos diagnosticados com câncer de mama.

Durante 21 dias, os pesquisadores concluíram que um tratamento combinado, com o composto e a quimioterapia, foi o mais eficaz, reduzindo 60% do tumor.

A quimioterapia é um dos tratamentos utilizados no combate ao câncer, porém pode trazer diversos tipos de efeitos colaterais, como perda de cabelo, náuseas, vômito e fraqueza.

Apesar disso, já são utilizados alguns métodos alternativos para aliviar os efeitos da quimioterapia, como o consumo de bebidas e alimentos gelados, uso da maconha medicinal e o consumo de gengibre.

Há também alguns tipos de quimioterapia; saiba mais:

- Quimioterapia branca tem efeitos colaterais mais leves

- Quimioterapia vermelha: entenda como funciona e efeito colaterais




@2021 Associação Polisaúde Todos os Direitos Reservados